“O concepcionista é uma fraude que dura 24 horas”

A concepção 

Certa vez, em um bate-papo, ouvi uma frase mais ou menos assim: "Se o filme é sempre elogiado pelos quesitos técnicos, quer dizer que o conteúdo é uma merda. Quando alguém vem e diz 'tal filme tem uma fotografia linda', é batata: fodeu".

A concepção, filme nacional que estreou na semana passada, é exatamente isso. Trabalho de filmagem ótimo, trilha sonora incrível. Edição, montagem, luz, figurino, maquiagem… tudo acima da linha. Ele até teve boas ações de marketing "underground", como palavras de ordem grafitadas em muros pela cidade (ok, isso é batido) e com vídeo do manifesto concepcionista no Youtube – à la Bruxa de Blair, mas que ninguém viu.

Mas aí, quando esbarra no conteúdo, a nhaca aparece. Filme furado, com pretensão lá em cima. Pff. Vai aí abaixo a crítica, em mais toques. Esta intro, na verdade, foi só para poder usar o primeiro parágrafo, que não lembrei de incluir no texto original.

A concepção
(publicado originalmente @ Omelete)

Exercício de suposição abstrata: se A concepção (2006) chegasse à TV aberta, sua sinopse seria algo como “uma galerinha do barulho que vai aprontar altas travessuras nas suas férias de verão, deixando todo mundo de cabelo em pé”.

Esse padrão boboca das chamadas globais serve bem para resumir a profundidade deste filme, primeiro do diretor José Eduardo Belmonte a desembarcar no circuito comercial. Apesar de ganhar pontos pelo ótimo trabalho técnico que chega à tela, A concepção se suicida com seu esforço em chocar a audiência – sexo, drogas, desbunde desenfreado, toda essa patacoada que não impressiona mais ninguém há um bom tempo – enquanto mergulha em um balde de verniz em que se lê “filosofia barata”.

A concepção

No centro do enredo, um grupo de jovens cujo único problema aparente é a cidade onde vivem: Brasília, o inferno do planalto, responsável pelo desequilíbrio mental de seus habitantes. Longe dos pais, desesperados pelo tédio e pelo achaque psicológico da sociedade moderna, resolvem criar um movimento anarquista: o concepcionismo.

Ideais? Nenhum, além do ato de viver. Esses "easy riders" candangos queimam seus lenços e documentos, pregam a liberdade de idéias, querem ser novos indivíduos a cada momento. “As pessoas estão doente de si mesmas”, juram, adotando o bordão da “morte ao ego”, gritado com freqüência. E a pergunta que fica é: “hein?”.

Apoiado num pires de conceitos soltos, o filme joga seus personagens como loucos pré-manicômio dentro do mundo concreto. No meio do caminho, surge um Buda para dar estofo à piração: X, um homem mais velho e sem passado (Matheus Natchtergaele, cumprindo seu papel costumeiro de brilho no elenco), que sabe tudo sobre drogas, disfarces e falsificação de documentos. Ou seja, tudo o que a molecada precisava para viver confortavelmente no seu universo paralelo, pelados e sem norte.

Ao fim da história, a vida real revida o ataque concepcionista e tudo volta ao normal. Ou não – o que não faz a menor diferença. E A concepção falha no seu objetivo (se é que ele existe) de suscitar uma discussão sobre os rumos da sociedade contemporânea. Bem de acordo, aliás, com um dos preceitos que rege seus personagens: “tudo o que foi falado até agora deve ser esquecido”. Ah, tá.

10 Respostas to ““O concepcionista é uma fraude que dura 24 horas””

  1. Matheus Says:

    É verdadeiro. O conteúdo do filme é uma completa nulidade.

  2. lis Says:

    acho que vc que nao entendeu a verdadeira essencia do filme

  3. Jander Rodrigues Says:

    Essência do filme? Tudo o que foi dito, deve ser esquecido! Agora!

  4. geraldo Says:

    pqp falar q o conteudo do filme é furado e de perder um testiculo…
    vão novela das oito e essas merdas hollywoodianas enlatadas……..

  5. geovany Says:

    vi o filme e adore!adorei seu conteudo e seus elencos,deixo a minha nota 10.

  6. carlos cunha Says:

    gostei dofilme muito legal com atores de primeira gategoria parabens ao elenco show
    carlos sumare sp

  7. Alexandre Says:

    Adorei o filme, finalmente algo interessante para assisitir. Ele sai completamente da mesmice do mocinho e bandido do cinema clichê.
    Questiona tudo a partir do nonsense, do absurdo, do vazio em que nos encontramos e da marginalidade que vê a sociedade medíocre escandalizada por alguém fazer algo diferente.
    Entendo porque recebeu críticas duras, sair do lugar comum tem o seu preço.

  8. x - ZUANO!! Says:

    Cara o negocio e o seguinte, …quando ele disse, esqueca tudo o que voce ja ouviu,..,. ele esta mencionando as coisas que voce ouve da sociedade!

    os conceitos, religiões, marcas de tenis,..rede de televisoes,..sexo masculino ou feminino,…

    e não , o que voce ouve literalmente,..!!! idiotas falta um pouco de metafora nos seus sangues,….

    mas o que acontece e que,…ridicularmente no filme o cara fodao X, sabe de tudo, e como um guru!,….ou seja se voce quiser ser um concepcionista que prega a liberdade, ser uma pessoa a cada dia,..voce tem que saber 5 idiomas saber tudo sobre falsificação, como passaporte falso, dinheiro falso, carteira de id falsa,..o seja ..não e qualquer um que pode ser concepcionista,…

    kkkkkkkk..auhsuhaushuah me polpe…..

    mas entendam, o autor do filme teve que mostrar isso dentro de nossa sociedade atual e o unico jeito que ele encontrou foi esse,..criando um guru que norteia a galerinha.

  9. THIAGO MORAIS DA SILVA Says:

    que avaliação, digamos, pouco coerente com a profundidade do filme.

  10. bruno Says:

    o texto está equivocado. acabei de assistir ao filme. ‘a concepção’ é excelente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: